BTS The Red Bullet no Brasil - Minha experiência

|
Olá pessoal! Eu não ia mais fazer esse post, porque já passou bastante tempo desde o show, mas como pediram, aqui estou eu! Vou contar para vocês como foi minha experiência no show do BTS da turnê The Red Bullet no Brasil, que aconteceu dia 31 de julho no Espaço das Américas em São Paulo. Vou logo avisando que quase não tirei fotos, então as que estão aqui, assim como os vídeos, não são meus. Eu salvei os videos do twitter e do facebook, e não lembro de que perfis salvei, então se algum for seu me avise que darei os créditos. Saibam também que o post ficou enorme, então leia só se estiver realmente interessado no assunto. Dividi em duas partes: antes do show e o show, let's go!

Antes do show
Esse ano fui para o show com minha irmã, minha prima e uma amiga, o quarteto inseparável ♥. Eu cheguei em São Paulo dia 28, mas apesar de saber que já tinha muita gente na fila, não fui acampar porque: 1) Meu pai não deixaria; e 2) Eu não sei se estaria disposta a dormir na calçada em um frio de 13º; Então, eu fui pra fila no dia 31 mesmo. Acordei ás três horas da manhã daquela bela sexta feira, e cheguei na fila ás cinco, com um frio de congelar os ossos. Quando cheguei com as minhas amigas, acreditem ou não a fila estava v-i-r-a-n-d-o-o-q-u-a-r-t-e-i-r-ã-o. Eu tive que filmar pra registrar o momento:

Tinha mais de 1000 pessoas na minha frente, e toda essa gente aí atrás foram as que chegaram depois de mim. Esse povo todo deve ter chegado em no máximo meia hora depois, já dava pra perceber que o espaço das Américas ia lotar.

O sistema de organização para o show era o seguinte: Ás 10 da manhã iria começar o check-in, que consiste em trocar o ingresso de papel, por uma pulseira. Nesta pulseira vai estar uma numeração de acordo com a ordem de chegada. Ás 17 horas, quando seriam abertos os portões do Espaço das Américas, a fila para entrar seria organizada de acordo com a ordem dos números nas pulseiras. Então, na teoria, era tudo muito simples. você pegava a pulseira, ia pra casa na hora do almoço, descansava e voltava ás cinco da tarde tranquila com seu lugar garantido, certo?


10:00 da manhã, e nada da fila andar. 10:30, e continuamos paradas. Ás 11:00 conseguimos virar a esquina. Não teria sido tão ruim se o sol não tivesse aparecido, e se nós não estivéssemos no lado da rua onde o sol batia de frente (; ̄Д ̄). Foi bem cansativo, mas ao mesmo tempo foi divertido, conversei com armys legais, que me arrependo amargamente de não ter pego o número.

Enfim, já passando do meio dia, chegamos no local do checkin. Como só podiam ir quatro pessoas de cada vez, eu fui primeiro com minha prima, e minha irmã e minha amiga foram depois. Quando olhamos nossos números, vimos que o meu era mil cento e alguma coisa, enquanto o delas era mil e duzentos, sendo que estávamos juntas na fila! Achamos muito injusto e decidimos que íamos entrar juntas independentemente do número que elas pegaram.

Com as pulseiras no pulso, pegamos um táxi para a casa de uma prima minha que mora próximo do local do show. O taxista não era da região, e acabou demorando o dobro do tempo para chegarmos. Almoçamos, nos arrumamos, e como a casa dela não é muito longe do espaço das américas, combinamos de sair de casa ás 16:30. Uma decisão muito infeliz. Minha tia não conhecia bem o caminho, e o GPS não ajudou nem um pouco, de forma que nos perdemos, pegamos trânsito, e quando deu 17:00 e não tínhamos achado o caminho, todo mundo já tava chorando achando que ia ficar no fundão

 Depois de pedir ajuda á muitas pessoas na rua, chegamos no espaço das Américas ás 17:30, e o que vimos foi um grande tumulto na frente do local. Pedimos ajuda para os seguranças, mas ele só souberam ser grossos e disseram pra procurar nosso número na fila, mas ninguém estava na ordem. Sem saber o que fazer, ficamos na frente do portão do estacionamento, esperando que organizassem os números. Liberaram para umas pessoas entrarem, e vimos pessoas que estavam atrás da gente na fila de manhã, correndo e entrando na casa de show. Não estavam respeitando a ordem das pulseiras, e toda aquela fila de manhã havia sido em vão. Estávamos as quatro de mãos dadas para não nos perdemos, e minha amiga, que estava na frente, puxou a gente e acabamos entrando na fila das pessoas que estavam entrando pro show. Assim que passamos pela porta do espaço das Américas começamos a gritar que nem umas loucas porque ainda tinha muita pouca gente, e conseguimos ficar num lugar razoavelmente próximo do palco. Depois me senti mal pelas pessoas que passaram mais tempo na fila do que nós e acabaram ficando pra trás, me desculpem mesmo pessoal, mas fomos no impulso, estávamos com medo de acabarmos sendo as últimas a entrar porque não estavam respeitando a ordem das pulseiras.

O show
O pessoal foi entrando, e o lugar começou a esquentar, a esquentar MUITO. O sistema de ar do local não tava dando conta de amenizar o calor de tanta gente abarrotada. Ficou muito apertado, eu mal conseguia mexer os braços, e vez ou outra alguém me empurrava pra tentar ir pra frente, mas eu me mantive firme no meu lugar.
Mas o negócio ficou feio mesmo foi quando começou a tocar o VCR de introdução do show. Eu ficava balançando de um lado pro outro sendo levada pela multidão, e acabei saindo um pouco do meu lugar e ficando mais atrás. Minha irmã tava começando a passar mal pelo calor e pelo empurra-empurra, e pra abrir um espaço pra ela puxei ela pra minha frente quando o pessoal começou a pular.
O vídeo acabou e os meninos entraram no palco usando uniformes militares. Todo mundo começou a pirar. Luzes vermelhas acenderam sobre eles, fazendo com que eles parecessem bonecos, e eu só conseguia pensar que eles eram muito lindos e que eu tive muita sorte de poder estar vendo eles daquela distância.

Começou a tocar N.O. e como sempre, as armys gritaram muito e muito alto. Durante a música tive a impressão de que os meninos não estavam gostando do show, estavam todos com uma cara muito séria, e aquilo me preocupou, pois eu queria que eles se divertissem no show. Depois de N.O veio We are bullet proof pt.2 e eles pareceram um pouco mais felizes, mas eu ainda estava preocupada, pois o primeiro show deles aqui não foi ás mil maravilhas, então pensei que talvez eles não gostassem do público brasileiro.

A música acabou, e o Rap Monster soltou logo um "BOA NOITCH, BOA NOITCH" e minhas preocupações foram todas embora. Sério gente, a voz daquele homem falando boa noite é uma coisa maravilhosa:

Imagina ele chegando em casa do trabalho e dizendo "Boa noite, boa noite" pra você // ok, parei.

Todos eles falaram boa noite em português, o J-hope disse sua frase de efeito, "I'm your hope" e o V falou "Grita!". Se eu tivesse espaço pra cair teria desmaiado com tanta fofura. Rap Monster, já conhecendo com as amrys BR são, pediu pra não empurrar e pra não levantar o celular pois iria atrapalhar que estava atrás. Depois das apresentações, começou We On e em seguinda Hip Hop Lover e gente, eu quase fui pro chão de novo porque eu simplesmente amo essas músicas! Eles fizeram mais uma pausa e o NamJoon falou "It's hot here" e o J-hope e o V tiraram as jaquetas e o público foi á loucura. Sério, o pessoal gritava muito por tudo mas pelos sorrisos no rosto deles dava pra ver que eles gostam dessa nossa loucura.

Let me Know foi linda de ver ao vivo, mas o pessoal gritou tanto que não consegui ouvir direito a high note do Jimin </3 A performance de blanket kick foi muito fofa, não sei como sobrevivi.

Antes de look here eles jogaram pedra papel tesoura para decidir quem iria fazer aegyo durante a música. Suga saiu na primeira rodada, mas as Armys gritavam "SUGA, SUGA SUGA!", então acabaram decidindo que o JungKook e o Suga fariam aegyo, e a reação do Suga foi tipo:


Até esse ponto do show meu emocional estava relativamente estável, e eu estava curtindo, rindo e cantando. Mas aí colocaram bancos no palco e apenas o Jin, o V, o Jimin e o Jungkook voltaram ao palco. Começou propose, o pessoal parou um pouco de fazer barulho, e deu para ouvir bem a voz deles cantando, e isso foi o suficiente para abalar minhas estruturas. Quando o V cantou a parte dele e deu um sorriso lindo depois, eu comecei a chorar, e quando o Jin cantou (ele é meu bias) eu já chorava copiosamente. Mas eram lágrimas de alegria sabe? Felicidade por estar ouvindo aquelas vozes ao vivo, por estar vendo de perto aquelas pessoas que amo tanto e que só via pela tela do computador.

Vou pular algumas músicas porque o post tá ficando enorme! Em uma das pausas o Jimin falou "Brazil, tá legal?" e foi uma das coisas mais fofas que já vi e ouvi na vida.
Antes de Miss Right, o Rap Monster falou que queria que cantássemos junto, e que era pra gente treinar antes. Aí tocou o refrão da música e um vídeo com a letra passou no telão. Mas a maioria do pessoal não tinha entendido o que o NamJoon falou (talvez por não saberem inglês, talvez por causa do barulho) e fico um silêncio meio constrangedor qq. Aí ele disse que o treino tinha acabado e que agora ia ser pra valer. Eles começaram a cantar a música, e pra minha surpresa, no refrão todo mundo cantou junto, e foi lindo, porque eles pareciam muito felizes, rindo o tempo todo. No final da música eles estenderam os microfones e a música parou, deixando só a gente cantar, e foi lindo demais ♥.

Em If I rule the world, o Rap Monster trocou a letra da música e em vez de falar "European, asian, caucasian girls", ele disse "European, asian, Brazilian girls". Fiquei dividida entre surtar e falar "Pára Namjoon, você não deve nem ter tocado numa garota Brasileira", mas tudo bem, foi fofo da parte dele.

Em seguida veio um dos melhores momentos do show: CYPHERT PT.3 : KILLER!!



Quando apenas o Rap Monster, Suga e J-hope voltaram pro palco, eu já sabia o que viria a seguir, e quando começou a música eu pirei como nunca havia pirado antes. Desde que essa música saiu eu ansiava pelo dia em que ouviria ela ao vivo, e achava que seria uma das melhores experiências da minha vida. E foi. Todo mundo levantou a mão como em um show de rap, e os meninos estavam muito animados e simplesmente arrasaram no rap. Quando chegou a parte da letra que menciona São Paulo, todo mundo cantou muito alto, e no refrão todo mundo começou a pular, inclusive os meninos. O Suga ficava pulando de um lado pro outro do palco, todo feliz, com o cabelinho balançando, uma coisa realmente linda de se ver. O pessoal gritou muito pro J-hope, acho que ele nunca se sentiu tão amado.



Em I NEED U foi uma coisa linda também, primeiro porque essa música é linda por si só e acaba com o emocional de qualquer um, e segundo porque o Suga deu toda a parte dele na música pra gente cantar (claro né, preguiçoso do jeito que é), brincadeira, foi lindo ele estendendo o microfone e sorrindo ao ouvir a gente cantar.

Depois veio Boy in Luv, e todo mundo sabia a letra da música. Depois dela, eles saíram do palco, as luzes apagaram e minha vida acabou. Começou a passar na tela um vídeo mostrando os meninos desde o pré-debut até os shows recentes, e eu não aguentei, comecei a chorar muito. O vídeo foi esse aqui:



Não sei explicar direito, mas acho que chorei de orgulho dos meninos. Acompanho eles desde que debutaram, e no começo, mesmo tendo músicas incríveis, pouca gente reconhecia o valor e o talento deles, mas em apenas dois anos eles conquistaram o mundo, literalmente, tiveram seu trabalho reconhecido, e hoje são um dos grupos mais promissores, sem terem deixado sua essência de lado. Cada um deles batalhou muito para conseguir realizar seu sonho, e o fato deles terem conseguido me deixa muito feliz e orgulhosa.

Aí, pra acabar de vez com a minha vida, eles voltaram a palco e começaram a cantar Path. Se você não entende o porque da minha morte, dê uma olhada na letra dessa música. Ela fala das dificuldades que cada um enfrentou até conseguir realizar seu sonho, e a parte do Suga acaba comigo, porque acho que dentre todos ele foi o que mais sofreu. Quando a música terminou eu já não tinha lágrimas pra chorar, mas aí eles começaram a fazer os agradecimentos pelo show (sim, estava chegando ao fim T_T). Aí vieram as frases que vão ficar pra  sempre na minha memória:

Rap Monster: Se vocês falam "Sarangheyo em coreano, eu vou dizer "Eu te amo" em português.


J-hope: Eu nunca vou esquecer o Brasil, nunca esqueçam o BTS.
Jin: Eu não poderia viver sem vocês.
Jimin: Ei Brasil... Tá legal? Brasil... Tá demais! Brasil... Acabou!


Se fosse possível tatuar um vídeo eu tatuaria esse do Jimin. Eu acho que ele foi quem mais gostou do Brasil, ele falou bastante coisa em português e não parava de sorrir. O V fez a gente de otária uma brincadeira com a gente, ele gritava/fazia um som estranho e pedia pra gente imitar. Ele é tão fofo!


Depois de todos agradecerem, eles saíram do palco, e voltaram um pouco depois para o encore, com Dope, Fun Boys e The rise of bangtan. Dope é outra música que desde que saiu eu esperava pelo dia em que poderia ouvi-la ao vivo.

Para Fun Boys nós tínhamos um projeto especial, que era uma espécie de coreografia com as mãos, que foi criada pelo pessoal do canal WTF Bangtan, que vocês podem ver aqui. Eu achei a ideia muito legal, mas vi muita gente falando que não ia dar certo, então fiquei com medo de pouca gente fazer, mas estava decidida a fazer a minha parte. E para a minha surpresa, quando começou a música todo mundo fez a coreografia! Ficou muito lindo ♥. Quando o J-hope percebeu que era algo ensaiado ele sorriu e apontou para mostrar para os outros membros ♥♥♥. Senti muito orgulho dos armys, porque os meninos pareceram realmente gostar do que viram.


Antes da última música, The rise of bangtan, o Rap Monster falou "A melhor forma de terminar um show é gritando". Então gritamos muito! No fanmeet ano passado essa foi a música mais animada do show, e nesse ano não foi diferente. No meio da música, o J-hope e o Rap monster pegaram uma bandeira do Brasil, e ficaram pulando com ela pelo palco, e eu gritei muito! Todo mundo pulou muito, cantou muito e se divertiu, mas quando a música acabou, bateu a tristeza, estava acabando.



Os meninos se despediram mais uma vez ao som de I need u, todos agradeceram pelo show. O Jin foi o último a sair do palco, e quando ele ia saindo, o Jimin empurrava ele de volta pro meio do palco. Foi tão fofo, ainda não consigo acreditar que Kim SeokJin é real, não pode existir alguém tão perfeito assim,


E assim, acabou o The red bullet no Brasil. Minhas conclusões do show foram: 1) Com certeza BTS é meu grupo ultimate; 2) Apesar dos pesares, o BTS gosta muito do Brasil, e dessa vez conseguimos passar uma boa impressão; 3) Kim SeokJin é a criatura mais fofa e perfeita da face da terra; 4) Kim Taehyung é a pessoa mais bonita que eu já vi na minha vida; 5) Kim NamJoon é o homem mais sexy que eu já vi na minha vida; 6) O sorriso do Hoseok é capaz de iluminar o mundo inteiro; 7) Park Jimin é uma coisinha irritantemente fofa; 8) Dia 31/07/15 foi o melhor dia da minha vida.

Apesar de toda a espera e falta de organização na fila, do calor e do aperto, o show foi incrível, e fez todo o sacrifício (e o dinheiro que gastei com passagem) valer a pena. No final do show, um aviso no telão: Part III coming soon... E eu com certeza estarei lá!

Ah, só mais uma coisa! Eu participei de um sorteio da empresa que organizou o show, em que quem fizesse uma doação para a instituição de caridade Amor em patas, concorria a um item autografado do BTS. E adivinhem quem foi uma das ganhadoras??

[Insira aúdio de 2 minutos de gritos aqui] Vou plastificar, por num quadro, dormir abraçada, enfim.


Me desculpem pelo post gigantesco, eu juro que não consegui deixar menor, até deixei muita coisa de fora. Se você leu tudo, meus parabéns mesmo, se eu pudesse lhe daria um chocolate como agradecimento! Espero que tenham gostado mesmo assim, obrigada por lerem!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...